Artes, negócios, diversão e comportamento.

A arte da inteligência prática

Ator é aquele que age. Você usa sua inteligência prática para agir, aprender e assim melhorar?

Na vida como no jogo recebemos algumas cartas (genéticas, econômicas e sociais) que não podemos escolher. Nos dois casos há cartas boas e cartas ruíns e sem dúvida ter cartas boas é bem melhor. Mas, pergunto: – Ganha sempre quem tem as melhores cartas? Respondo: – Não. Ganha quem joga melhor com as cartas que tem. Pergunto: – E quem joga melhor? Respondo: – Aquele que sabe aprender, que é flexivel, ousado. Aquele que sabe que pode e deve passar à ação.

Para conseguir mais em nosso mundo exterior devemos trabalhar no desenvolvimento de nós mesmos em nosso mundo interior.

Vivemos numa mudança de época e não apenas numa época de mudanças. Por isso devemos desenvolver habilidades para resolver problemas que não se apresentam como antigamente. Iremos encarar problemas que ainda estão por vir, que surgirão na vida diária e para os quais não existem soluções óbvias e explícitas.

O sucesso não acontece por acaso. Aí entra a inteligência prática que é a relação entre “O que se quer obter” com “Como obter o que se quer?”

Inteligência prática é aquela que todos devemos desenvolver, porque é nosso primordial recurso, é a que administra e gerencia nossos talentos e inteligências. Ela guia nossa vida, dirige nossos projetos, emoções, sucessos e fracassos.

Um problema teórico se resolve quando se conhece a solução. Porém, os problemas práticos não se resolvem quando conhecemos a solução teórica e sim quando o colocamos em prática. Esta aprendizagem é complexa porque vamos lidar com as dificuldades da situação concreta, os desejos, medos, expectativas, interesses e as emoções.

Você está aqui e a meta está ali. O problema está em passar de um lugar ao outro. Transformação.

Devemos definir objetivos porque assim direcionamos nossas ações, podendo selecionar os meios e avaliar os processos. Devemos imaginar algo que não existe, porém sabendo que podemos fazer com que exista.

Para isso é bom ter conhecimento em planejamento estratégico, já que a estratégia é uma arte e uma ciência que nos auxilia a elaborar um plano e definir os meios para conseguir as metas propostas.

A inteligência e a criatividade aplicadas a gestão estratégica da vida fazem parte da sabedoria que, desde sempre, guia os seres humanos em direção a seus objetivos, na superação de seus limites e na melhoria de suas capacidades.

É parte da inteligência prática saber aproveitar os recursos sociais e  culturais que estão ao nosso alcance e fazer com que esse entorno seja mais rico, justo e estimulante possível, para que expanda nossas possibilidades de ação.

Eu sou eu e o que me cerca e se não melhoro o que me cerca, não melhoro a mim e vice versa.

Para que algo seja prático tem que ser útil, para ser útil tem que servir a um propósito e contribuir, agregar valor para a sua realização.

Não há nada mais inútil e portanto menos prático que dedicar seus recursos e seu tempo em atividades sem um propósito definido, sem um sentido e sem que contribua a um propósito desejado e escolhido por você.

Assim, o primeiro passo inevitável para dar sentido a praticidade é definir claramente nosso plano estratégico pessoal.

De Antonio Pablo – Traduzido e adaptado por Alzira Andrade 

Compartilhar

Deixe o seu comentário