Artes, negócios, diversão e comportamento.

8 “condutas” para vencer o medo de falar ao público

Alzira Andrade escreve sobre como dominar o medo de falar em público através da prática do Teatro Coach Executivo.

No ranking dos medos o medo de falar em público é o primeiro, antes mesmo do medo da morte, de avião ou de aranha. Estatísticas da Universidade da Califórnia apontam que 75% das pessoas temem falar em público. Quando caracterizada como patologia essa fobia é chamada de “glossofobia” (glosso=língua, fobia=medo). Porém, não há notícia de que alguém tenha morrido por fazer uma apresentação em público, por mais catastrófica que tenha sido…

O medo de falar em público está associado a um medo subjacente que é o de falhar. Quando alguém tem que apresentar-se em público é comum que pense: “Vai me dar um branco”; “Vou ficar nervoso”; “Vou ficar vermelha”; “Eu vou gaguejar”; “Vou parecer ridículo; “Não vou saber o que fazer”; “Vou tropeçar e cair no palco”, etc.  Esse modelo de pensar cria um círculo vicioso paralisante em que o medo de falhar fortalece o medo de falar em público.

Oito condutas e reflexões que podem auxiliar a boa experiência do falar em público.

AFINAR SEU INSTRUMENTO – O corpo é o instrumento do palestrante. Não nos comunicamos apenas com a capacidade intelectual. Quanto mais consciência corporal, incluindo postura, movimentos, gestos, voz, sensações, percepções e emoções, maior a capacidade de uma apresentação confiante que envolve a plateia numa experiência rica, estimulante e relevante.

PRATICAR – Com o que se quer dizer em mente e de posse da estrutura da palestra o trabalho é ensaiar. Iniciar pela abertura que deve ser repetida exaustivamente, frente ao espelho, para alguém próximo, para si mesmo em voz alta, frente a uma câmera. Desse modo percebemos que as palavras e frases projetam-se sem grande esforço intelectual, livrando a mente do estresse inicial e permitindo maior segurança e domínio da situação. 

OLHAR PARA A PLATEIA – Ao transferir o olhar para quem está nos olhando, tiramos a atenção de nós mesmos e amenizamos o medo, pois nossa atenção se transfere para os outros. A intenção é criar sinergia e estabelecer uma relação de troca de energia positiva com a plateia na ação simpática e generosa de compartilhar nosso conhecimento.

EXERCITAR A RESPIRAÇÃO – Quando nos preparamos para falar em público, apesar de não ser uma ameaça física, através do sistema nervoso simpático nosso corpo aciona mecanismos estressores de fuga ou ataque. As pupilas dilatam, o coração dispara, a respiração se altera, dificultando nossa capacidade pulmonar. Saber respirar na região abdominal pelo diafragma é um recurso essencial para tranquilizar todo o organismo e vencer o medo.

UMA VEZ NO PALCO, BRILHE! - É bom saber que a plateia vai reagir à forma como nos colocamos frente a ela. Repare que não estamos falando de como estamos nos sentindo e sim, de como as pessoas estão nos vendo. Não dá para estar no palco e querer desaparecer, a plateia perceberá quando queremos nos livrar da situação incômoda e das palavras. Uma vez em foco, façamos nosso melhor sem pressão para acabar rapidamente. Em vez de querer sumir, assumir e manter presença.

SER INTERATIVO – Quando abrimos para perguntas propondo dinâmicas de conversação que tem relação com o tema e a estrutura da palestra, criamos um ambiente de cumplicidade racional e emocional  que respeita e aceita a diversidade das várias experiências de entendimento presentes. Essa conduta de receptividade e flexibilidade desperta o interesse pela proposta do palestrante e facilita a participação, a compreensão e absorção do conteúdo. 

A EMOÇÃO É RECEPTIVA – Quando nos preparamos e acreditamos no que estamos dizendo, sendo responsáveis pela clareza da exposição de nosso conteúdo, mais atenção teremos de nossa plateia. E se além de sentir, conseguimos expressar entusiasmo, isso pode comover a plateia que se sentirá recompensada por nosso cuidado e respeito para com ela. 

MOMENTO ÚNICO – Falar em público pressupõe, além do palestrante, a existência da plateia. Pensar que o universo demorou bilhões de anos para colocar essas pessoas juntas faz desse acontecimento um momento de singular importância. Agradecer por essa oportunidade antes expor nossa mensagem ajuda a relaxar e imprime mais naturalidade e leveza à nossa apresentação. 

Inscreva-se nova turma Teatro Coach para Falar em Público [intensivo 2 dias]

Compartilhar

Deixe o seu comentário

Comentários

  1. Marcelo Queiroz: Em 5 de fevereiro de 2014 às 11:35

    Gostaria de mais detalhes do Curso Teatro Coach

  2. Camila: Em 4 de fevereiro de 2014 às 1:53

    Olá, que dicas maravilhosas!
    Sou estudante de jornalismo, tenho 27 anos. Fui professora de inglês aos 16 anos mas com o tempo vim desenvolvendo um certo panico de me apresentar em público.
    Fico entusiasmada para aprender mais com vcs.
    Um abraço!