Artes, negócios, diversão e comportamento.

Falar em Público – do medo ao prazer!

Entre em contato com sua potência alegradora. Por Alzira Andrade

Refletindo sobre algo que traduzisse essa trajetória – do Medo ao Prazer – que passa obviamente pela  Superação, me deparei com o dizer do brilhante professor de comunicação da USP Clovis de Barros Filho. Em entrevista concedida ao Jô Soares ele fala sobre Potência Alegradora.  Usada como Motivação, a potência alegradora me levou a pensar o quanto do medo está associado à pouca motivação que tem a ver com a potência pessoal necessária ao caminho da superação.

O medo é uma forma de defesa essencial, é sabido, mas também se manifesta inapropriadamente como auto-boicote e esse medo pode ser dominado. A primeira motivação para superá-lo é imaginar a potência da alegria dos momentos de superação.

Falar em público pode ser e comumente é no início um quase suplício; e após algumas tentativas bem sucedidas transforma-se em momentos de prazer marcantes e estimulantes.

A potência alegradora envolve determinação, dedicação e coragem, não para bater de frente com o medo, mas para aceitá-lo e perceber que ele faz parte de um despreparo que ficou pra traz. Portanto, o medo deve ser respeitado, mas paulatinamente usado a favor como estímulo ao desafio, à medida que vai diminuindo.  Essa potência alegradora está dentro de todos nós, às vezes adormecida, às vezes reprimida, mas a todo tempo pode ser estimulada e servir de fonte para superação de qualquer desafio.

A pergunta que penso caber aqui é: quanto da sua potência alegradora você está desfrutando para superar o seu medo, ou para encarar uma situação desconhecida, ou simplesmente para voltar a sorrir livremente, ou mesmo para encontrar um significado para estar vivo?

Porque como diz o professor Clóvis: “ A vida é uma sequência de encontros inéditos com o mundo e portanto ela não se deixa traduzir em fórmula de nenhuma espécie”. Então, nos resta alimentar a nossa potência alegradora e sair pro abraço.

Compartilhar

Deixe o seu comentário