Artes, negócios, diversão e comportamento.

Sou minha própria energia. Qual é a fonte?

Reencontrando criatividade e qualidade de vida, por uma vida significativa, equilibrada e feliz. Por Adriana Mendonça Araújo

A velocidade e o volume de informações que o mundo moderno nos apresenta hoje, muitas vezes acaba por nos colocar numa posição cômoda, conformada, onde tudo vem pronto e não exige de nós nenhum esforço criativo. Acabamos perdendo a capacidade de perceber, de sentir, de explorar novas habilidades, possibilidades e novos caminhos.

Torna-se cada vez mais complicado pra nós, por exemplo, (e somos criticados se o fazemos), analisar as coisas com olhos de criança, que não tem ainda a malícia, os vícios, o cansaço, o stress dos adultos. Difícil enxergar que na figura do “chapéu”, apresentada no livro “O Pequeno Príncipe”, de Antoine de Saint Exupéry, na verdade existe um elefante que foi engolido por uma cobra. Ou então, entender que um rabisco amarelo no meio de uma folha de papel é simplesmente o Sol.

O que acontece é que na maior parte do tempo as pessoas são desencorajadas, às vezes por elas mesmas, a pensar, a desenvolver sua criatividade, dedicar um tempo do seu dia pra deixar os pensamentos fluírem soltos, sem compromisso com resultados e metas. Isso fica ainda mais nítido na maioria das empresas, cujo objetivo maior é ter pessoas que realizam, que fazem, trazem números, lucros. Esquecem-se que as pessoas são movidas por sentimentos, experiências, percepções, relacionamentos.

A criatividade faz a diferença. É necessária o tempo todo, nas empresas e fora delas. Precisa ser cultivada e aplicada nas coisas mais simples do dia a dia e, mais do que isso, a criatividade precisa ser estimulada. Oferecer desafios, fazer perguntas, pedir sugestões, dar oportunidades, incentivar mudanças, aplicar aquilo que o mundo corporativo denomina “brainstorm” e que meu gestor chama de “toró de palpites”!

A arte e o jogo lúdico, atuante e criativo do teatro, com suas “dinâmicas, práticas, ficções, metáforas e histórias” libertam nosso lado criativo, educando o corpo em sintonia com nossas emoções e pensamentos. É um caminho possível e saudável pra retomada da nossa habilidade de sentir, inovar e tornar o nosso trabalho, nossos relacionamentos e nossa vida mais suave e feliz.

De maneira responsável e diferenciada, a Teatrês se destaca por servir o palco corporativo. Aprimora a comunicação relacional a partir do contato do ser humano com seus melhores propósitos e valores. Aplicados com método pela Teatrês, o teatro e as técnicas teatrais potencializam produtividade sem estresse, resultados com qualidade de vida e de relacionamentos, liderança e gestão com comunicação eficaz. Criatividade e inovação que são pontes para o sucesso, alegria, lucidez e equilíbrio.

Autoria: Adriana Mendonça de Araújo, mora em São José dos Campos, SP. Publicitária, pós graduada em Marketing, trabalha como Analista de Negócios, na Imagem Geosistemas.

Fotos

Compartilhar

Deixe o seu comentário